sábado, 30 de agosto de 2014

Opinião - Somnium 109



Algo atrasado nas leituras, mas já começam a ficar em dia! 


Editorial - Copy paste dos outros editoriais da Somnium o que não é em si algo mau, mas não é o que eu procuro num editorial. Começa bem a falar da Ursula K. Le Guin, mas depois "descamba" no habitual índice comentado.


Contos:

Variável da Imponderabilidade de Tibor Moricz - Quando comecei a ler este conto tive uma sensação de déjà vu e a razão era a óbvia: já o tinha lido, especificamente na antologia Improbabilidades de Verão, uma publicação do e-zine literario (e blog) Infinitamente Improvável dirigido pelo Jorge Candeias, mas de volta ao conto. Trata-se de um conto ambientado num futuro distópico (?) onde as eleições são bastante diferentes (entre muitas outras coisas) e são decididas não pelo sufrágio universal. Quando não se ganha à primeira volta a segunda é decidida em combat e é o que vamos assistir, mas em jogo está muito mais do que a vitoria nas eleições. Foi um conto que me agradou, o autor soube dar a informação sem ser em imfodumps. Apenas o final me deixou algo "desapontado", demasiado limpo, mas nada de muito grave.

Projeto Mulah de Tróia XDII de B. B. Jenitez - Um conto interessante sobre o multiverso escrito (literalmente) na primeira pessoa. Nele B. B. Jenitez imagina alguns universos onde tudo foi diferente ou quase igual na sua vida.

Reprodutores de Frodo Oliveira - Um conto giro ou como se diz em Terras de Vera Cruz bacana. Num futuro onde devido a um vírus apenas alguns homens e mulheres são férteis estes são obrigados a tornar-se reprodutores. É na sua base uma historia de amor, mas também de rebelião. Tem um final interessante.

Finalidades e Destinos de Acervos Ocultos de Ricardo França - Um arqueólogo (no ano 2212) faz uma expedição a um escavação no fundo do mar ao que é suposto ser um edifício Sumério. Lá descobre um colar com certas "propriedades" e depois, bem depois a coisa fica demasiado confusa e só piora. O final é... bem um final.

Asas de Alexandre Lobão - Gostei da história base que serve de cenário acima de tudo pela sua plausibilidade e pela sua (aparente) inevitabilidade(mais dia menos dia). A policia tornou-se obsoleta devido às capacidades de uma Inteligência Artificial (IA) com o nome de DT-EYE que é mais rápida a resolver os casos e (aparentemente) infalível. A história começa nas "comemorações" do encerramento da esquadra e da reforma (compulsiva) dos policias. Martelli é um policia que não se conforma em ir para a reforma tão cedo e aleatoriamente vê um dos mais recentes casos que a IA resolveu em tempo recorde, um suicido, mas claro que as aparências enganam e é preciso os instintos de um humano para ver para lá do óbvio. Como eu disse gostei da historia base e achei a escrita do Alexandre Lobão competente sem ser exuberante, mas o que "estragou" tudo foi a falta de uma reviravolta (que esperei o conto todo e nunca veio) para compensar a total previsibilidade da história, o que é pena.

A Esfera de Ademir Pascale - Já não é a primeira vez que me deparo com este tipo de conto que mistura uma espécie de mito da criação do Universo com filosofias e um certo nível de religiosidade, mas a verdade é que ainda está para aparecer um conto nestes moldes bom e não apenas assim-assim (na melhor das hipóteses).

A Captura da Capitã Escarlate de Cláudio Villa - Uma história de Piratas, mas em terra, muito húmida é certo (ou como se escreve no Brasil úmida), mas ainda assim em terra (firme). Mais parecia um capitulo de um projecto maior com uma adenda no inicio para o leitor se situar.

A Chave do Conhecimento de Lúcio Manfredi - Um conto psicadélico e algo confuso. Percebe-se, ou pelo menos eu percebi, que o autor nos mostra uma espécie de viagem de descoberta do eu do personagem principal em forma de sonho, mas fica sempre travo de estranheza sem isto seja propriamente um elogio.


Prêmio Argos de Literatura Fantástica - O prémio Argos vai na sua 6ª edição (apesar de um interregno)  e mesmo sabendo que a colecção Portuguesa Argonauta tinha uma lugar de destaque no Brasil cada vez me vou apercebendo que ele é ainda maior do que eu pensava, porque não só o Clube de Leitores de Ficção Científica do Brasil (CLFC) foi fundado por leitores que se uniram precisamente por causa da colecção como o nome deste prémio é uma homenagem à mesma.

Homenagem:




Mulheres sabem escrever: como Ursula Le Guin transformou o papel feminino na literatura de gênero por Cláudia Fusco - Um texto bastante interessante sobre a obra de Ursula K. Le Guin, com especial incidência no livro "A Mão Esquerda das Trevas" (The Left Hand of Darkness). Apenas o achei demasiado "académico" na linguagem utilizada, não que isso tenha algo de mal, mas à que saber distinguir uma dissertação para mestrado de um ensaio numa revista de FC. 

Ursula Le Guin — Dados Biográficos por João Campos - Mais um Português, mais um João, mas desta vez o é Campos, do blog Viagem a Andrómeda que dá uma mãozinha com a bibliografia da autora. 


Resenhas e Reflexões:



A MÃO ESQUERDA DA ESCURIDÃO (Ursula Le Guin) - Verdade é uma questão de imaginação: devir, rizoma e A mão esquerda da escuridão por Luana Barossi - Mais uma espécie de "dissertação para mestrado", mais uma vez nada de mal, mas...





OS DESPOSSUÍDOS (Ursula Le Guin) — Os despossuídos, um dos clássicos da FC por Dario Andrade - Em Portugal este livro da Ursula K. Le Guin teve o título de "Os Despojados" e foi publicado na Europa-América na sua colecção de FC de bolso tendo sido divida em duas partes. Já tinha lido uma opinião do Luís Filipe Silva que me tinha despertado (e muito) a minha curiosidade para a leitura deste(s) livro(s), na altura ainda não o(s) tinha e apenas à pouco tempo é que consegui completar o par. Esta opinião/reflexão do Dario Andrade apenas aguçou a minha curiosidade.




FLORESTA É O NOME DO MUNDO (Ursula Le Guin) por Edgar Indalecio Smaniotto - Apesar de ter gostado da história deste livro, que foi publicado por cá e eu até tenho, não me parece que vá ter prioridade nas minhas leituras pelo menos para já.






DO OUTRO LADO DO SONHO (Ursula K. Le Guin) por Marcello Simão Branco - Quando comecei a ler a resenha reparei que já conhecia a historia: já o tinha lido, mas na sua última reencarnação (e com outro título): O Tormento dos Céus, editado pela Presença, teve outras duas e outros tantos nomes.


The truth is: you’ll never leave — Reflexão sobre o conto "THE ONES WHO WALK AWAY FROM OMELAS" de Ursula Le Guin por Luís Filipe Silva - Mais uma vez o Luís Filipe Silva deixa-me a salivar por uma história da Ursula K. Le Guin, neste caso um conto, mas conto colmatar esta falha em breve.




EXPULSOS DA TERRA (Ursula Le Guin) por Ricardo Guilherme dos Santos - Mais um história que me pareceu interessante e que tenho na estante, mas que não estará nos meus planos de leitura mais próximos.


Foi mais uma edição da Somnium que me deu um grande prazer ler. 


Podem descarregar a revista Somnium 109 aqui onde a vão encontrar nos formatos PDF, MOBI e claro EPUB é só escolher

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Opinião - Revista Trasgo 3 Extra - Quando Todos Viraram Filmes de Rodrigo van Kampen



Com a lançamento da revista Trasgo n.º3 o editor anunciou que quem subscrever-se a newsletter até ao final do mês de Agosto ganharia, como recompensa, um conto extra. Ora como será óbvio subscrevi e o conto lá veio na volta do correio. Lido e relido chega a altura do juízo!

O título do conto é Quando Todos Viraram Filmes e tem a particularidade de ser da autoria do editor da Trasgo: Rodrigo van Kampen. 
O cenário é o seguinte um dia as pessoas de todo o mundo começam a transformar-se em personagens de filmes, desde policiais a comédias passando por terror, romances, documentários e até mesmos desenhos animados e o personagem principal teve o azar de se transformar neste ultimo. Existe um tom cómico-trágico que percorrer todo o conto, nunca soube bem se havia de rir ou sentir pena dele. Parte deste sentimento é devido ao facto de ser o personagem principal a narrar a história, criando-se assim uma maior empatia ao invés de um impessoal narrador na terceira pessoa.
Quando li a história pela primeira vez pensei em como o conceito para o conto era completamente insano, mas ao continuar com a reflexão dei por mim a pensar: "isto é o Fantástico em todo o seu esplendor, uma historia totalmente maluca, mas que estranhamente (ou talvez não) resulta esplendidamente bem".  E esta é a verdade. Através de uma ideia tão louca Rodrigo van Kampen reflecte e faz os leitores reflectir sobre a discriminação, as aparências, o diferente. Apesar de me ter rido num momento ou outro o que me fica na memoria é a reflexão que ele me provocou.
É um magnifico conto e quanto mais reflicto mais estou convicto da sua  magnificência. Os meus parabéns ao seus autor que me deixou curioso quanto a resto da sua obra.

Como disse no inicio este conto só pode ser acedido se subscreverem a newsletter da revista Trasgo até ao final do mês de Agosto. Para tal é só ir aqui e colocar o vosso mail.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Opinião - O Mundo Depois do Fim de Tom Perrotta



Imaginem que de um momento para o outro, literalmente, dois por cento da população mundial desaparecia sem deixar rasto, mas mais espantoso sem alarido absolutamente nenhum. Nada de um Messias que vem buscar os fieis, nada de quatro cavaleiros e nem sinal da Besta. Os que partiram são cristãos, judeus, muçulmanos, hindus, ateus, crianças, velhos, assassinos e inocentes, adúlteros e santos, a única coisa que tem em comum é o facto de serem humanos. É com este cenário como pano de fundo que Tom Perrotta escreveu este livro. A história começa três anos depois do Arrebatamento ou Partida Súbita longe o suficiente para alguma normalidade já ter regressado à vida das pessoas, mas ainda perto o suficiente para os seus efeitos se sentirem. A acção passa-se (quase) toda numa pequena cidade Americana chamada Mapleton e as personagens principais são (quase) todas da família Garvey. Curiosamente, ou talvez não, não perderam ninguém, mas os efeitos da Partida Súbita fizeram-se sentir na mesma. É com esta visão bastante pessoal que vamos abrindo caminho por uma sociedade que ainda se esforça por sarar a ferida de algo que ninguém percebe bem. E é aqui que existe algo de profundamente paradoxal neste livro. Ao invés de observar o evento à escala planetária Tom Perrotta opta pelo comum, pelo familiar e se a principio foi algo que eu estranhei à medida que as páginas "voavam" foi algo que "esqueci" e foi cada vez mais apreciando a leitura e a história que estava a ser contada. Existe na escrita  do autor aquela simplicidade aparente, sem que isso se traduza num história simples, muito pelo contrário, algo que apenas os grandes conseguem.
Quem ler este livro não espere encontrar respostas, aliás o final, como muitos outros aspectos do livros é no mínimo ambíguo.
Apesar de todos este aparentes defeitos foi um leitura que me agradou muito, chegando a ser visceral em muitos momentos e os bons livros são assim como este, colocam-nos a sentir o mesmo que as personagens.

O título Português é "O Mundo Depois do Fim" não é um título mau, mas acho que falha em transmitir o que o autor pretendia. Na versão Brasileira o título é "Os Deixados para Trás" e embora reflicta um pouco melhor continua a deixar algo de fora. O título original é "The Leftovers" o que traduzido à letra é  restos ou sobras e é exactamente assim que o autor quer que nós pensemos nos que ficaram para trás e é também assim que muitos dele pensam de si por ter sido deixados para trás.

Estreou à pouco tempo a adaptação deste livro pelas mãos da HBO (os mesmos senhor que adaptaram A Guerra dos Tronos) e embora o autor esteja profundamente envolvido no projecto a serie tem vindo a revelar-se consideravelmente diferente do livro.


Título - O Mundo Depois do Fim
Autor - Tom Perrotta
Editora - Contraponto
Tradutora - Raquel Dutra Lopes

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Opinião - Somnium 108


Tenho descuidado as leituras um pouco e assim já a Somnium 109 já saiu e eu ainda agora acabei de ler a 108, por "sorte" é um prazer ler esta revista.


Editorial - Um editorial bastante engraçado pela maneira como Ricardo Guilherme dos Santos o escreveu.

Capa por Marcelo Bighetti - O autor da Capa, Marcelo Bighetti, leva-nos passo a passo pela construção da capa desta edição da Somnium

Entrevista a André Vianco - Mais uma excelente entrevista dirigida por Clinton Davisson onde ficamos a conhecer um pouco melhor o autor André Vianco, o seu trabalho gostos e rotinas.


Contos:

O Voo do Ranforrinco de Gerson Lodi-Ribeiro - Tanto quanto me é dado a perceber Gerson Lodi-Ribeiro é uma espécie de Luís Filipes Silva lá do sitio e melhor elogio que este não poderia fazer. E neste "O Voo do Ranforrinco" percebe-me bem porquê. É um conto de FC onde o mistério é o segredo. Temos uma nave que regressa de Marte para a Terra, mas na Terra ninguém a reconhece. ou consegue comunicar com ela... No final o mistério é desfeito, mas o sentido de  maravilha continua. Gostei de o conto não ter terminado logo com a revelação sendo prolongado mais um pouco, mas sem que isso tenha tido um impacto negativo, muito pelo contrario.

As Coisas Que Nunca Acontecem de Miguel Carqueija - Um micro conto de FC, com muito romance, humor e um final de ficar sem ar...

O Estigma da Rosa de Georgette Silen - E se todos os acontecimentos religiosos afinal fossem algo bem diferente, nada devendo ao sobrenatural? É o que Georgette Silen explora neste conto bastante bom e bem escrito que me agradou muito.

A Sereia e o Pescador de Clinton Davisson - Este foi um conto que me deixou (e ainda deixa) com um sorriso nos lábios, ri-me a bom rir com o final. Engana o leitor habilmente e ainda bem.


Reflexão

A Leitura Faz o Leitor por Roberto de Sousa Causo - Apesar de ser um texto escrito em 1999 e adaptado para esta edição da Somnium, e portanto já com quinze anos não deixou de ser uma leitura (muito) interessante e actual. Gostei especialmente de ver explorada a ideia de que cada geração tem a sua colecção referencia, sendo que como não podia deixar de ser a colecção Argonauta foi o alvo da maior atenção, pelas razões óbvias.


Homenagem:



Clifford D. Simak por João Vagos - João Vagos é administrador de entre outros, dos blog's dedicados às colecções Argonauta, Nébula e FC Europa-América e neste texto percorre a vida e obra de Clifford D. Simak. Tenho de confessar a minha ignorância sobre este autor, mas este texto e as resenhas que se lhe seguiram despertaram-me a curiosidade portanto mesmo que o resto da revista fosse má, o que não de todo o caso, muito pelo contrario, já tinha valido a pena a sua leitura só por este simples facto: ter-me despertado a curiosidade para a obra de Clifford D. Simak.



Resenhas:

A Homenagem a Clifford D. Simak prossegue com três resenhas a outros tantos livros seus, por leitores/fãs seus e cada um à sua maneira consegui cativar o leitor deste lado a querer ler esses mesmos livros e quem sabe a prosseguir com a descoberta. Apenas a quarta é de outro autor, Philip E. High, mas igualmente presente da colecção Argonauta.





Estação de Trânsito por Ricardo Guilherme dos Santos - Ricardo Guilherme dos Santos leva-nos a passear pela história do livro "Estação de Trânsito" (com muitos spoilers) usando pequenas passagens do livro como se fossem marcos históricos dignos da mais profunda contemplação. Escusado será dizer que no fim fiquei com imensa vontade de ler este livro. 





Cidade por Antonio Borba - Usando e abusando dos Spoilers (também), António Borba leva-nos no entanto por outro caminho. Numa curiosa dualidade entre a ficção do livro e a reflexão sobre essa mesma ficção versus a nossa realidade num interessante texto que mais uma vez me deixou com bastante curiosidade de ler o livro. De notar que em Portugal este livro recebeu o título de "As Cidades Mortas".





Engenheiros Cósmicos por Sid Castro - Num depoimento pessoal (que é o sub-título desta resenha) e que podia ser a história de muitos de nós, Sid Castro conta-nos como conheceu a obra de Clifford D. Simak e como se apaixonou pela literatura de FC e grande impacto que este livro teve (e ainda tem) na sua vida.





Depois da Derrocada por Miguel Carqueija - Este livro foi escrito originalmente em 1967, mas a sua temática é bastante actual. Pela descrição do Miguel Carqueija pareceu-me um livro com uma temática interessante, mas algo confuso, só lendo para tirar as duvidas. É o único livro desta quatro resenhas que não é de Clifford D. Simak, mas que (inevitavelmente?) também faz parte da colecção Argonauta.


Foi mais uma grande edição da Somnium e que aconselho vivamente a sua leitura. Como disse no inicio as minhas leituras andam "atrasadas", mas já ando a recuperar o tempo perdido e já ando a ler a mais recente edição da Somnium, para breve a minha opinião dela.


Podem descarregar a revista Somnium 108 aqui onde a vão encontrar nos formatos PDF, MOBI e claro EPUB é só escolher.

domingo, 10 de agosto de 2014

Opinião - Revista Trasgo 3



E a revista Trasgo está de volta, embora eu tenha demorado mais tempo do que é habitual a começar lê-la, mas a culpa é só minha. Portanto sem mais demoras passemos ao que interessa. 


Editorial - Um Editorial, para mim, deve ser mais do que um mero desfilar do conteúdo de uma revista, acho que deve funcionar como reflexão, como chamada de atenção, por exemplo, para algum assunto importante, mas ignorado. Acho que o editor da Trasgo, Rodrigo van Kampen, deve começar a investir mais tempo nos seus editoriais, fica o conselho.

Contos:

O Empacotador de Memórias de Gael Rodrigues - Um conto com uma premissa bastante, um rapaz sofrer um trauma em criança, trauma esse que lhe vai "guiar" a vida até ao fim. Em certos momentos quase parece Ficção Científica, mas é a Fantasia que lhe assenta bastante bem. Foi (é) um conto interessante e assaz imaginativo e do qual gostei. 

Rosas Brancas de Roberto de Sousa Causo - Este conto de FC é o prologo de um projecto maior. Neste conto vamos conhecer o inicio de parte deste universo. Gostei da  premissa e da escrita e claro que fiquei curioso com o resto deste universo.

Feita de um sonho de Caroline Policarpo Veloso - Um sonho que se repete e que vai revelar um segredo antigo... Um conto que pega em todo o potencial dos mundos dos sonhos e os explora de moda bastante imaginativo. Gostei, mas achei curto.

Invasão de Claudio Parreira - Um conto completamente surreal, insano mesmo, mas igualmente extraordinário quer na premissa, quer na execução e com um final a condizer!

Viral de Tiago Cordeiro - Geralmente os Zombies (ou Zumbies como dizem os Brasileiros) tem a sua origem numa qualquer doença de origem desconhecida, mas não neste conto, aqui a sua origem está num emissão de radio. Estranho, mas garanto que o autor dará um explicação muito boa. A escrita do conto é "fragmentada", mas resulta lindamente e o final é bastante bom. Enfim gostei bastante.

O Vento do Oeste de Liége Báccaro Toledo - É de longe o mais longo conto desta revista. Nele vamos encontrar um universo Fantástico inspirado nos exóticos mundos dos muçulmanos e nas suas 1001 Noites. Foi um conto interessante, com um mundo bem construído e bem escrito. O final é muito bom e ficamos a pensar que mais aventuras se puderam ter passado naqueles desertos.


Terminados os contos somos presenteados, como habitual, com a Galeria da ilustradora Kelly Santos (autora  da capa deste edição da Trasgo) e de mais algumas ilustrações e a entrevista da praxe a todos os autores que participaram desta edição.

Indo já no seu terceiro número acho que chegou a altura de fazer algumas criticas construtivas ao ordenamento da revista. A colocação dos contos a um lado e as entrevistas no outro não me está a agradar muito, gostava de ver as entrevistas antecedidas dos contos (apesar de lá estar o link para a mesma no final do conto).  A Galeria podia ficar logo ao inicio ou no final.

Espero ajudar a Trasgo a tornar-se um revista ainda melhor com este singelos conselhos.


Podem descarregar a Revista Trasgo nos formatos epub e mobi

domingo, 3 de agosto de 2014

Opinião - Revista Bang! n.º16



Mais uma revista Bang! chegou!!!

Capa - Rompendo a politica até agora seguida de ter como capa uma ilustração original esta edição faz da capa de "O Império Final" de Brandon Sanderson também a sua. Apesar de perceber o porquê desta decisão gostava de ter visto uma ilustração original.

Editorial - Eu e a Safaa Dib temos muitas vezes diferendos de opinião, mas os seus editoriais tem sido algo que me me tem dado bastante prazer ler, este não foi propriamente a excepção, gostei da primeira parte, mas achei a segunda parte algo dispersa (embora tenha percebido onde queria chegar). Acho que faltava algo a ligar as duas partes.

Ilustrador Convidado - Ricardo Coimbra foi o autor da capa desta revista Bang! e pela amostra parece-me ser bastante talentoso, mas e mais uma vez tinha preferido uma ilustração original como por exemplo a que lá aparece com o titulo de "L'Homme runne".

Resumo das novidades - Estes resumos vem sempre acompanhados de uma opinião (à falta de um termo melhor) do editor Luís Corte-Real sobre o mercado editorial (e que muitas vezes dão azo a diferendos de interpretação entre mim e a Safaa). Este texto foi bastante esclarecedor e vem confirmar uma "revelação" que o João Barreiros fez à uns anos e que transcrevo:


O misterioso editor que proferiu estas palavras terá sido o Luís Corte-Real? Fica a questão.

Quanto às novidades parecem-me poucas para uma editora que se assume como a editora do Fantástico. Sobre a qualidade (ou falta dela) não me posso pronunciar visto não conhecer.

Sonar Literário - Um texto e um tema bastante interessante que o Eric Novello abordou e que me agradou muito.

Metais Pesados - Vou ser sincero acho que a participação do Fernando Ribeiro já não trás nada de novo seja nos temas seja na perspectivas. Sei que novos colaboradores não nascem nas árvores, mas este já passou a sua validade.

Sheridan Le Fanu - No Ano do Bicentenário - António Monteiro dá-nos a conhecer um daqueles autores tão importantes quanto desconhecidos. Espero que tenha despertado a atenção não só dos leitores como dos editores.

O Regresso do Transperceneige - Em mais um magnifico artigo da autoria do Mestre João Lameiras ficamos a conhecer mais uma Banda Desenhada (muito) interessante, mas que infelizmente não está publicada por cá e que dificilmente estará.

Feitiços e Terrores - Com a recente publicação de "Cultos Inomináveis" de Robert E. Howard nada como recordar a vida e obra deste grande autor e que bem merece ser publicado e lido, em (mais) um interessante artigo do António Monteiro.

O Regresso a Westeros - Safaa Dib mostra-nos a importância das aventuras de Dunk e Egg (que se passam 100 anos antes de do inicio da Guerra de Tronos) e as interligações de ambas as historias. Tudo isto a propósito do mais recente lançamento "Historias dos Sete Reinos".

As Agruras da Colecção Argonauta - Parte 2 - A segunda e ultima parte deu magnifico exercício não só de memória, mas também de analise desse mítica colecção que foi e é a Argonauta pelo Luís Filipe Silva. Gostava de ver mais artigos destes na revista Bang!

Visões da Utopia - Um artigo bastante interessante em especial pela sua parte histórica.

Brandon Sanderson - Este autor e a sua Saga "Mistborn - Nascida nas Brumas" do qual "O Império Final" é o primeiro volume, são a mais recente aposta da Saída de Emergência e diga desde já uma aposta que a editora pretende ganhar, dai o muito marketing que tem sido feito à volta deste autor/livros, sendo que neste revista muitas paginas lhe são dedicadas indirecta ou directamente. Nas dezasseis (16) paginas que falam directamente do autor/livro temos um pouco de tudo desde um tour pelo mundo criado, as suas características e personagem, passando por uma entrevista a Brandon Sanderson, e o making of da capa de "O Império Final". Nota-se que é uma aposta em que a editora entrou com "tudo" e eu espero que dê resultado e pelas primeiras opiniões parece-me que já começou a agradar a muitos leitores.

Prémio Bang! 2014 - Com o Prémio Bang a acabar (alias já terminou) "mostra-se" quem são os Juízes e faz-se (fez-se) um ultimo apelo.

As Cidades na Ficção Científica - Episódio 3 - Estes artigos da autoria do João Rosmaninho foram definitivamente uma aposta ganha e espero que sejam e estejam para continuar.

Ficção


Enciclopédia da Estória Universal de Afonso Cruz - Uma presença já habitual nas paginas de revista Bang e que é sempre um prazer ler.

Pensando no Relógio de Rui Rodrigues Alves - Quando acabei de ler este conto fiquei com a sensação que tinha acabado de ler não um conto, mas uma espécie de resumo de algo maior. O potencial e as ideias parecem lá estar, mas ainda vai ter de treinar muito até escrever algo bom. Espero que o Rui continua a trabalhar para um dia nos presentear com um conto, novela, romance, etc, de excelência.

Abiogenesis de Pedro G. P. Martins - Já tinha lido os dois trabalhos que o Pedro Martins tem à disposição no Smashwords portanto foi sem surpresas que mais um vez me vi presenteado com a qualidade deste autor neste conto. 

Imersão de Aliette de Bodard - Bem não à toa que este conto venceu os prémios Locus e Nébula e acho que mais não será preciso dizer.
Não deixo passar a oportunidade de agradecer os esforço da revista Bang! em nos presentear com o que de bom se faz lá fora agora.

A Guerra dos Pombos de Estevão Ribeiro - O melhor elogio que posso fazer a esta BD (ou HQ como se diz na outra margem do Atlantico) é que me ri bastante e mal posso esperar pela continuação.


E assim foi mais uma excelente revista que continua a primar pela qualidade e que eu espero seja para continuar durante muito tempo.

Neste intervalo de tempo a revista Bang! já está disponível em formato PDF, mas devido à manutenção do site da Saída de Emergência não me é possível deixar o link para quem queira descarregar a mesma.