terça-feira, 30 de dezembro de 2014

2014 - Leituras & Acontecimentos

Como é convencional nesta altura faz-se um balanço do ano que termina e apesar de andar um pouco afastado do blog quem sou eu para quebrar a tradição.

Este foi um ano atípico no que à quantidade se refere, li "apenas" 27 livros o que é cerca de um quinto em relação a 2012 e um sexto em relação a 2013! Uma diferença abismal que se explica por este ano ter tido maiores períodos em que não me "puxava" para ler e claro tive outras "distracções" que me ocuparam muito tempo, como ter traduzido um capitulo, Mercy, do futuro livro do George R. R. Martin, The Winds of Winter, mas falemos do que li.

O ano começou com Ficção Científica na forma da trilogia de John C. Wright constituída por A Idade do Ouro, A Fénix Exultante e A Grande Transcendência. Eram os últimos livros que me faltavam ler da já defunta colecção Viajante do Tempo da Presença. A razão que levou a que só agora lesse estes livros, que já os tinha desde que tinham saído, é simplesmente porque só agora achei que tinha "capacidade" e "bagagem" para os entender, quando o tentei ler a primeira vez desisti ao fim de poucas paginas, e estava certo porque (agora) adorei lê-los. É caso para dizer que quem espera sempre alcança.

O ano de 2014 foi mais um em que Manuel Alves esteve presente nas minhas leituras, neste caso com Terra Fria, uma historia passada no tempo do Estado Novo e que, claro, mais uma vez agradou. O livro foi "alvo" de uma leitura conjunta e como consequência muitos colegas bloggers deram as suas opiniões, achei por bem deixar a minha para mais tarde e claro que o tempo foi passando e até agora nada... Eu sei e vou já flagelar-me. Mas não foi a única leitura porque o Manuel elevou-me a leitor beta e tive oportunidade de ler o rascunho do seu próximo livro, que até já ia está: Wulfric - A Cativa. Foi uma experiência agradável poder, mais uma vez, depois de A Imagem do Joel G. Gomes embora em moldes diferentes, ajudar na construção de um livro. Quem disse que escrever um livro é um acto solitário? Espero poder voltar a ajudar.

Este foi também um ano bastante brasileiro com duas revista: a Somnium e a Trasgo. Além da qualidade de ambas a publicações é bom reparar que quer cá, quer lá existem muitos problemas comuns, afinal não estamos sós.

E agora um dos momentos altos destas coisas: o melhor livro do ano. Geralmente não sou muito de eleger um, mas este ano apesar de ter li grandes livros, que adorei, como irão já ver, houve um que se destacou, mas já lá vou. Este ano percebi porque todos falam do Afonso Cruz depois de ter lido Os Livros que devoraram o meu Pai, passeie num mundo onde 2% da Humanidade desapareceu de um momento para o outro em O Mundo depois do Fim de Tom Perrotta, regressei a Lisboa no Ano 2000 a antologia organizada e com textos do grande João Barreiros, fui levado a'Os Extremos por Christopher Priest e li um Livro sem Ninguém desse grande alguém que é o Pedro Guilherme-Moreira, li o grande clássico que é A Guerra Eterna de Joe Haldeman, uma magnifica história que apesar da idade que já leva continua cada vez mais actual e estive "encalhado" em Marte com Mark Watney no magnífico The Martian de Andy Weir, um livro cheio de humor e que foi uma delicia ler, mas o livro, ou devo dizer livros foi a trilogia The Last Policeman de Ben H. Winters e agradeço ao "tio" Barreiros a chamada de atenção. Constituido por The Last Policeman, Countdown City e World of Trouble foi uma angustiante leitura pelo realismo de uma situação tão irreal quanto possivel. Este livro foi tão marcante que decidi traduzi-lo para a nossa língua, vai ser uma trabalheira e não sei até onde irei chegar e nem sei se alguma editora alguma vez o quererá publicar, mas que  se lixe.

O único livro que posso dizer que me desiludiu foi Um Pinguim na Garagem de Luís Caminha, mas isso já sabiam pela minha opinião. Esta eu dei!!!

Dos novos autores que descobri em 2014 não podia deixar de assinar mais um nome Português: Carina Portugal. Foi um prazer ler os seus textos e felizmente ela continua a escrever e 2015 irá trazer ainda mais leituras da sua obra.

No que à Banda Desenhada diz respeito foi mais um bom ano e preenchido. Muita BD da Marvel com um projecto que começo e terminou este ano da Panini Espanha e que deixou muitos leitores destroçados. As edições conjuntas da Levoir e do Público com as edições da DC ainda a transitarem para este ano e a meio do ano chegou mais uma colecção dedicada à Marvel. A chegada a terras lusas da BD dos Simpsons e do Brasil as aventuras do Juiz Dredd e companhia na revista Juiz Dredd Megazine (o equivalente à original 2000AD). O final do ano assistiu à chegada de anestésico XIII, com a edição conjunta Asa e Público desse clássico da BD Franco-Belga e que se irá estender a 2015, enfim um excelente ano.


No campo dos acontecimentos este ano foi bastante preenchido, em Janeiro iniciei a colaboração com o blog Leituras do Fiacha - O Corvo Negro do meu bom amigo Fiacha que se traduziu em alguns textos conjuntos com o texto Corvos para o Corvo (este texto foi exclusivo do blog do Fiacha) e se tem vindo a prolongar com textos partilhados entre os dois blog's, como o conjunto de textos Ficção Científica - Uma (possível) Iniciação. A já falada tradução do capitulo Mercy e que me leva a algo que com muita vergonha minha ainda não falei aqui: a revista O Cantinho do Fiacha onde publiquei esta tradução no número três, Novembro, e onde também já tenho um texto na edição de Dezembro sobre Ursula K. Le Guin e em Janeiro poderão encontrar mais um, mas sobre isso falarei depois com mais tempo.

A todos os que vêem aqui ler o que escrevo desejo um bom ano de 2015.

Até para o ano

sábado, 15 de novembro de 2014

Opinião - Revista Trasgo 4




Editorial - Quem já leu a minha opinião sobre as outras revistas Trasgo já sabe a minha opinião sobre os editoriais sendo que este não é excepção. 


Contos:


Rendição do Serviço de Guarda de Gerson Lodi-Ribeiro - Depois de ter lido e adorado o conto "O Voo do Ranforrinco" na revista Somniom 108 foi com expectativas algo elevadas que parti para este conto, mas a verdade é que sai algo desiludido desta leitura. Uma boa parte do conto é basicamente o autor a enquadrar o leitor neste universo. E apesar de ser um universo que me interessou nem o final consegui salvar esta leitura.  


Vivo. Morto. X. de Érica Bombardi - Um conto bastante interessante, quer pela escrita e história, mas também por uma certa moral (se é que se pode dizer tal coisa) que não se vê muito na escrita nos dias que correm.


Isaac de Ademir Pascal - Mais um universo pós-apocalíptico, mas um de que gostei bastante. Gostei da inversão de papeis entra homem e máquina. O Homem passa de Deus criador a venerador e mais não posso dizer sem estragar a história.


Estive assombrando seus sonhos de Mary C. Muller - Um garoto chamado Filipe consegue ver e falar com mortos, tem um amigo vampiro e isto é apenas o começo de um conto bastante engraçado e leve para a temática que aborda. 


Arca dos Sonhos de Fred Oliveira - Uma nave multi-geracional que é uma lenda, pela sua missão o que leva a que muitos tentem destruí-la. O que o autor nos mostra é um desses momentos em que a nave é atacada. Com uma escrita fluída e (quase) poética descreve-nos como é que a nave e a sua tripulação reagem e é belo.  


No Labirinto de Jessica Borges - Um conto interessante sobre o destino e a nossa capacidade de o mudar, mas também sobre a nossa resistência ao apelo de algo que parece bem melhor. Gostei, embora o final tenha sido demasiado previsível, mas que outra coisa podia esperar de um conto de fadas? Com outro final deixaria certamente de o ser e perderia alguma da sua magia. 


Como é habitual depois dos contos somos presenteados com a galeria e autor da capa que desta vez é da autoria de Edmar Nunes de Almeida, que nos presentei com uns desenhos bastante bonitos (sim não sou lá muito bom a criticar arte, ou gosto ou não) e claro as entrevistas a todos os participantes desta edição.

Esta edição estreia um novo modelo em que incorpora publicidade, mas não foi intrusiva e portanto convivi bem com ela.

De ressalvar que esta é a ultima edição gratuita da revista Trasgo, a partir do próximo numero já será a pagar, embora para bloguer's ainda existe a possibilidade de poderem "ganhar" os próximos quatro números se e passo a citar: "publicarem 4 posts contado das 4 primeiras edições em seus blogues", tendo até ao final do presente mês de Novembro para tal, para saberem mais é ir aqui.


Podem descarregar a Revista Trasgo pela ultima vez gratuitamente em formato mobiepub ou ir à loja Kobo.


terça-feira, 11 de novembro de 2014

Opinião - Os Extremos de Christopher Priest



As vezes acontecem coincidências agradáveis e à uns dias quando ainda não tinha (conseguido) escolher uma nova leitura o meu amigo Fiacha disse que tinha começado a ler "Os Extremos" do Christopher Priest. Este livro foi me recomendado por um camarada da net que dá pelo nome de Ubik, ao qual mando daqui o meu agradecimento quer pela sugestão quer por tido o trabalho de me fazer chegar o livro às mãos, e que também já tinha feito o mesmo ao amigo Corvo.  Portanto achei engraçado fazer uma espécie de leitura conjunta como o Fiacha: um livro duas opiniões e bem o amigo Corvo já deu a sua (podem ler aqui a sua opinião) agora é a minha vez.

Este livro foi uma surpresa total. Para começar quando o comecei a ler não fui ler a sinopse, algo que só aconteceu depois de ler o primeiro capitulo, mas a verdade é que a sinopse não diz o que verdadeiramente o livro é, alias tende a ser algo redutora e a criar falsas expectativas ou eu é que as criei e acabei por sentir isso ao longo da minha leitura portanto o meu conselho é fujam dela como o diabo da cruz.

Este não é um livro que irá ser apreciado por uma boa parte dos leitores, é que este livro é de  uma complexidade elevada, mas não parece. Esconde-se por detrás de uma simples história de uma mulher à procura do significada da morte do seu marido, morto numa pequena cidade do Texas num massacres inexplicável e da estranha coincidência de ao mesmo tempo ter acontecido um massacre no outro lado do oceano, numa pequena cidade Inglesa, com contornos similares.

Acresce a isso o facto de existir uma tecnologia "à lá" Matrix onde as pessoas podem entrar em mundo virtuais e vivenciar as vidas e situações de outras pessoas, verdadeiras ou inventadas. Fez-me alguma confusão que o autor não explicasse de onde tinha aparecido esta tecnologia ou não tivesse explorado as implicações que ela teria na sociedade, mas apercebi-me que era "apenas" uma maneira de ele contar a história.

O final não será, também, do agrado da maioria dos leitores, demasiadas pontas soltas (digo eu) e quase parece faltar algumas paginas para encerrar devidamente, pelo menos foi essa a sensação com que fiquei, mas quanto mais penso no livro no seu todo mais sentido ele (me) faz e bem sei o quão paradoxal isto parece, mas é a verdade.

Ainda agora estou a descobrir os muitos "segredos" deste livro, mas muitos leitores irão simplesmente ficar pelas impressões superficiais que o livro transmite. Digo isto não por qualquer sentido se superioridade, estou bem consciente do quão perto estive de tal me acontecer também, pois ao longo da leitura nem sempre fui capaz de ver para onde o seu autor seguia e existe uma boa razão para isso. Muitas vezes dei por mim a pensar "Mas o que é isto tem a haver com a historia?", mas a verdade é que chegados ao fim do livro tudo fará sentido.

Termino com mais um paradoxal conselho: leiam este livro, mas apenas se estiverem preparados para abdicar da habitual lógica que seguem quando lêem um livro, porque ela só vos irá atrapalhar e impedir que desfrutem da historia. E claro para o ler pelo menos mais uma vez.


Titulo - Os Extremos
Autor - Christopher Priest
Editora - Planeta
Tradução - Nuno Romano

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Divulgação - Lançamento de A Imagem de Joel G. Gomes



É já a amanhã na Moita, mas não aquele que fica mesmo ao lado de Anadia infelizmente, o lançamento do livro A Imagem do Joel G. Gomes que vai acontecer na Biblioteca Municipal da Moita pelas 21:30.
Infelizmente não poderei estar presente, mas já parte de mim estará lá pois foi com prazer que fui um leitor beta (podem ler aqui os meus conselhos). 

Também recebi um dos mais originais convites que tive o privilégio de receber: um DVD que só visto.

Espero em breve ler a versão final e dar a minha opinião.

Espero que todo corra bem e que a sala esteja cheia.




terça-feira, 21 de outubro de 2014

Opinião - The Ones Who Walk Away from Omelas de Ursula K. Le Guin



Após ter lido a opinião do Luís Filipe Silva sobre este conto da Grande Ursula K. Le Guin na Somnium 109 (podem reler aqui a minha opinião) fui logo procura o dito, e aproveitando que hoje se comemora o seu octogésimo quinto aniversario deixo aqui a minha opinião sobre este pequeno, mas extremamente inquietante conto e que mostra o quanto ela é uma excepcional escritora.

Imaginem um cidade onde tudo corre bem, onde todos são felizes e onde nada falta, seja saúde ou comida. Assim é a cidade de Omelas, mas Omelas tem um segredo terrível, um segredo que é a razão desta sua (aparente) felicidade. 

Para nos mostrar isso Ursula K. Le Guin mostra-nos um festival de Verão e levando-nos pela mão vai nos apontando essa felicidade apresentando-nos ao tipo de pessoas que habitam em Omelas. E assim lá vamos nós olhando para onde ela aponta até que somos confrontados com a razão de toda esta felicidade, o porquê de tudo o que de bom esta cidade tem e os seus cidadãos usufruem: existe um criança presa algures na cave numa casa de um dos edifícios da cidade, presa e a quem é negado qualquer gesto de bondade, pois o mais ínfimo acto compaixão significaria o fim do tratado que garante à cidade a sua condição. Nunca é especificada a proveniência da criança, ou com quem, ou o com o quê o tratado foi feito, mas também não interessa, apenas saber que existam já é suficiente.

O conto termina com algo que eu interpreto como uma espécie de redenção daquele acto hediondo e que mostra que afinal a felicidade não é assim tão completa, que afinal ainda existe uma consciência em alguns habitantes de Omelas.


Como disse é um conto pequeno (cerca de nove páginas), mas inquietante em especial pela simplicidade com que a Ursula K. Le Guin nos vai mostrando esta cidade e é impossível chegar ao fim e não nos perguntar-mos se fossemos nós o que faríamos? Estaríamos dispostos a trocar a vida de uma criança, a sacrifica-la em troca da felicidade de toda uma comunidade? A resposta não é certa e deixa um travo a fel que teima em ficar...

domingo, 19 de outubro de 2014

Opinião - Lisboa no Ano 2000 (Antologia)



Quando na revista Bang! n.º 10 apareceu o desafio para esta antologia e depois de ter lido várias vezes os pressupostos em que assenta este universo Electropunk, a única coisa que me vinha à mente era: "Isto é estúpido!". Não parava de pensar em como já vivemos num mundo movido a electricidade, os electrodoméstico, os comboios até os carro já estão a caminhar a passos largos nesse sentido, portanto onde estava a inovação? Mas lá resfriei o meu negativismos (e falta de imaginação) e decidi dar uma oportunidade a esta antologia, até porque ao leme vai o João Barreiros e isso para mim é mais que suficiente para lhe dar o beneficio da duvida, e claro que gosto de falar, bem ou mal, com propriedade, e claro que não fiquei nada desiludido com o resultado final, mas vamos por partes.



Prólogo - (Acho que) Percebo o que o João Barreiros tentou fazer aqui: unificar este universo e embora engraçado o modo como foi escrito continua-me a parecer estranho e sendo totalmente sincero desnecessário.


O Turno da Noite de João Barreiros - Quando li "O Turno da Noite" na revista Bang! n.º10 e novamente nesta antologia "assustei-me". Parecia a escrita do João Barreiros, as temáticas são as típicas do João Barreiros, mas há ali um travo a "metafisica", para não dizer fantasia (heresia!!!) que o meu paladar estranhou logo. Mas passado o "choque" temos mais uma excelente texto bem à maneira do Barreiros e que é uma delicia para quem, como eu, aprecia o seu trabalho.


Venha a Mim o Nosso Reino de Ricardo Correia - Gostei bastante do inicio, mas a partir dai foi sempre a descer. Temos um espécie bispo da IRUD lá do sitio, feiras-ninjas e um robô gigante, mas de alguma forma não vi o puzzle encaixar.  Por exemplo achei as freiras-ninjas um toque interessante e com o seu quê de cómico, mas aparecem ali quase "caídas do céu". 


Os Filhos do Fogo de Jorge Palitos - Um conto interessante que me pareceu ter alguns elementos (inspiração) do livro "O Prestigio" de Christopher Priest (e não digo isto com conotações negativas). A imortalidade não é propriamente a temática, mas sim o Carpe Diem e uma experiência que corre muito mal. Gostei quer da temática quer do tom embora ache que devia ter sido mais "polido".


Dedos de AMP Rodriguez - Um conto com um humor subtil e muita critica social devidamente embrulhados numa investigação de estranhos acidentes de trabalho. Gostei bastante do personagem principal, que é também narrador e da sua maneira de ver o mundo, ou neste caso a resignação a que se vota.


As Duas Caras de António de Carlos Eduardo Silva - Um conto de espiões como se estivéssemos na Segunda Grande Guerra, com agentes duplos (ou mais) ao serviço quer de Portugal, quer da Germânia, e um final muito bom, alias todo o conto está bem escrito e no "tom" certo. 


Electro-dependência de Ana C. Nunes - O uso da electricidade como uma droga foi uma ideia bastante interessante, mais ainda a de utilizar um humano com poderes e que também é capaz de a "injectar", embora não seja o único método. Um conto cheio de ideias interessantes e bem aproveitadas pela seu autora que nos dá um final muito bom.


Nanoamour de Ricardo Cruz Ortigão - Um autor que afinal são dois e um conto que fala de amor e tal como o anterior dá uma nova roupagens ao algo bem antigo, neste caso as poções de amor, mas claro que devidamente adaptadas a um mundo onde a electricidade é rainha e senhora. Um final muito bom e que me deixou com um sorriso nos lábios.


Energia das Almas de João Ventura - O João Ventura é um escritor já com calo e isso está bem patente neste conto. A ideia base deste conto é bastante interessante e tem por base o trabalho do medico Duncan MacDougall sobre o peso das almas devidamente "misturado" com uma das premissas do conto "O Turno da Noite" do João Barreiros, a dos seus mortos que se alimentam do vivos. Ainda consegue lá introduzir o trabalho de Albert Einstien. 


Fuga de Joel Pulga - Um conto interessante, mas mais pela critica que faz ao mundo literário actual em que apenas se publica mais do mesmo ao sabor das modas que vão aparecendo. O personagem principal é Tércio um programador que tem um trabalho rotineiro que mata qualquer iniciativa e criatividade e que sonha em ser escritor. O final reflecte o nosso estado literário actual.


Tratado das Paixões Mecânica de João Barreiros - Mais um magnifico conto do João Barreiros em que ele regressa a alguns dos seus temas por excelência, brinquedos, a invasão da (Fortaleza) Europa por África, neste caso uma autofábrica que quer assentar arrais na Caparica. Um conto "à" Barreiros e o meu preferido dos três aqui apresentados. Um final que me agradou bastante pelo humor.


O Obus de Newton de Telmo Marçal - Já conhecia os trabalhos do Telmo Marçal publicados na internet e claro o seu "agrupar" no excelente livro que é "As Atribulações de Jacques Bonhomme" (e que por estes dias está estupidamente barato portanto aproveitem), mas este conto foi uma surpresa. O tom do conto não condiz com a imagem que tenho do autor. Longe de ser algo que me tenha degradado foi com muito gosto que descobri esta nova faceta do autor. Com um prosa muito "literária" e uma história complexa lá fui desbravando as páginas. Para uma antologia que ser queria ambientada em Lisboa este conto passa lá muito pouco tempo, mas isso pouco interessa quando somos confrontados com a sua excelsa qualidade.


Ex-Machina de Michael Silva - A electroesfera esconde coisas para além da imaginação do homem e neste conto vamos descobrir o quanto elas podem ser assustadoras. Um conto com ideias interessantes, nota-se ali a "mãozinha" de H. P. Lovecraft, e uma escrita com bons apontamentos de humor.


A Rainha de Pedro Vicente  Pedroso - Se existe animal que está ligado à electricidade é a enguia, a eléctrica claro e neste conto temos uma espécie de Capitão Ahab à procura da sua Moby Dick em forma não de baleia, mas de enguia eléctrica nas turvas águas do Tejo. Uma ideia interessante e bem desenvolvida pelo Pedro Vicente Pedroso. 


Taxidermia de Guilherme Trindade - É um dos contos que mais me surpreendeu nesta antologia porque não fazia ideia do que esperar mesmo até ao final e que final. Existem historia que por muito misteriosas que sejam nós vamos conseguindo descobrir o que se passa, mas aqui não o que apenas tornou a sua leitura ainda mais interessante. Sem duvida um dos melhores contos desta antologia em todos os aspectos.


Quem Semeia no Tejo de Pedro G. P. Martins - Um conto com algumas ideia interessantes, mas que poderia ter sido mais trabalhado e alongado. É um dos poucos contos com "ligação directa" ao conto de partida / inspiração desta antologia "O Turno da Noite".


Coincidências de Pedro Afonso - Coincidências é um conto interessante que nos permite ter uma visão bastante alargada do ambiente que se vive não só em Lisboa, mas também na Europa, através da relação entre um escritor e uma estranha mulher que ele conhece em igualmente estranhas circunstancias. 


Chamem-nos Legião de João Barreiros - E para finalizar com chave de ouro a terceira parte de "O que escondem os Abismos". Uma história contada através de duas linhas narrativas que se vão inevitavelmente encontrar, quanto ao resto bastará dizer que é escrito pelo João Barreiros


Epílogo - Se achei o Prólogo desnecessário o Epílogo não podia ser diferente.  



Como em qualquer antologia a qualidade dos contos varia (muito), mas de um modo geral os trabalhos apresentados estão em bom nível. Esta antologia está cheia de ideias interessantes, como alias me fartei de escrever, algumas muito bem aproveitadas outras nem por isso, mas só o facto de os autores terem revelado essa imaginação já é prometedor desta nova geração de autores.
Outro aspecto importante está na dificuldade em manter uma coesão histórica e cronológica comum e claro que com tantos autores algumas coisas falham e temos algumas variações sobre os mesmos temas como é exemplo as varias visões sobre a família real. Não é propriamente algo mau, mas a tentativa de unir este universo feita por João Barreiros no Prólogo e o Epílogo apenas acentua o quanto estas são prescindíveis. Sou da opinião que uma introdução e quem sabe um nota final tivesse sido uma aposta melhor.
Numa nota sobre a historia desta Antologia recentemente o "Tio" Barreiros comentou no Facebook que esta ideia é bem mais antiga do que eu tinha imaginado e que já vem da altura em que a colecção de FC da Caminho, a dos livrinhos azuis, mas os seus camaradas Portugueses (e Brasileiros) da colecção não olharam com muito bons olhos este universo partilhado. Mau para eles, mas bom para nós e para toda esta nova geração de autores que assim puderam brilhar na electroesfera. 


Por fim gostava de deixar aqui um pedido de desculpas em primeiro ao meu bom amigo Fiacha, que tão amavelmente me deu este livro e que apenas pediu em troca que eu desse a minha opinião, mas que foi algo que demorou a fazer, aos autores por ter escrito um opinião demasiado tempo depois de lido os mesmo, o que não me permitiu ter os pormenores tão "frescos" quanto o desejável (embora tivesse tirado algumas notas e relido na diagonal quando necessário) e claro ao leitores porque podia ter feito um trabalho melhor. A todos a minhas desculpas.



Título - Lisboa no Ano 2000
Autores - João Barreiros, Ricardo Correia, Jorge Palitos, AMP Rodriguez, Carlos Eduardo Silva, Ana C. Nunes, Ricardo Cruz Ortigão, João Ventura, Joel Pulga, Telmo Marçal, Michael Silva, Pedro Vicente  Pedroso, Guilherme Trindade, Pedro G. P. Martins e Pedro Afonso.
Editora - Saída de Emergência
Colecção - Bang!

sábado, 30 de agosto de 2014

Opinião - Somnium 109



Algo atrasado nas leituras, mas já começam a ficar em dia! 


Editorial - Copy paste dos outros editoriais da Somnium o que não é em si algo mau, mas não é o que eu procuro num editorial. Começa bem a falar da Ursula K. Le Guin, mas depois "descamba" no habitual índice comentado.


Contos:

Variável da Imponderabilidade de Tibor Moricz - Quando comecei a ler este conto tive uma sensação de déjà vu e a razão era a óbvia: já o tinha lido, especificamente na antologia Improbabilidades de Verão, uma publicação do e-zine literario (e blog) Infinitamente Improvável dirigido pelo Jorge Candeias, mas de volta ao conto. Trata-se de um conto ambientado num futuro distópico (?) onde as eleições são bastante diferentes (entre muitas outras coisas) e são decididas não pelo sufrágio universal. Quando não se ganha à primeira volta a segunda é decidida em combat e é o que vamos assistir, mas em jogo está muito mais do que a vitoria nas eleições. Foi um conto que me agradou, o autor soube dar a informação sem ser em imfodumps. Apenas o final me deixou algo "desapontado", demasiado limpo, mas nada de muito grave.

Projeto Mulah de Tróia XDII de B. B. Jenitez - Um conto interessante sobre o multiverso escrito (literalmente) na primeira pessoa. Nele B. B. Jenitez imagina alguns universos onde tudo foi diferente ou quase igual na sua vida.

Reprodutores de Frodo Oliveira - Um conto giro ou como se diz em Terras de Vera Cruz bacana. Num futuro onde devido a um vírus apenas alguns homens e mulheres são férteis estes são obrigados a tornar-se reprodutores. É na sua base uma historia de amor, mas também de rebelião. Tem um final interessante.

Finalidades e Destinos de Acervos Ocultos de Ricardo França - Um arqueólogo (no ano 2212) faz uma expedição a um escavação no fundo do mar ao que é suposto ser um edifício Sumério. Lá descobre um colar com certas "propriedades" e depois, bem depois a coisa fica demasiado confusa e só piora. O final é... bem um final.

Asas de Alexandre Lobão - Gostei da história base que serve de cenário acima de tudo pela sua plausibilidade e pela sua (aparente) inevitabilidade(mais dia menos dia). A policia tornou-se obsoleta devido às capacidades de uma Inteligência Artificial (IA) com o nome de DT-EYE que é mais rápida a resolver os casos e (aparentemente) infalível. A história começa nas "comemorações" do encerramento da esquadra e da reforma (compulsiva) dos policias. Martelli é um policia que não se conforma em ir para a reforma tão cedo e aleatoriamente vê um dos mais recentes casos que a IA resolveu em tempo recorde, um suicido, mas claro que as aparências enganam e é preciso os instintos de um humano para ver para lá do óbvio. Como eu disse gostei da historia base e achei a escrita do Alexandre Lobão competente sem ser exuberante, mas o que "estragou" tudo foi a falta de uma reviravolta (que esperei o conto todo e nunca veio) para compensar a total previsibilidade da história, o que é pena.

A Esfera de Ademir Pascale - Já não é a primeira vez que me deparo com este tipo de conto que mistura uma espécie de mito da criação do Universo com filosofias e um certo nível de religiosidade, mas a verdade é que ainda está para aparecer um conto nestes moldes bom e não apenas assim-assim (na melhor das hipóteses).

A Captura da Capitã Escarlate de Cláudio Villa - Uma história de Piratas, mas em terra, muito húmida é certo (ou como se escreve no Brasil úmida), mas ainda assim em terra (firme). Mais parecia um capitulo de um projecto maior com uma adenda no inicio para o leitor se situar.

A Chave do Conhecimento de Lúcio Manfredi - Um conto psicadélico e algo confuso. Percebe-se, ou pelo menos eu percebi, que o autor nos mostra uma espécie de viagem de descoberta do eu do personagem principal em forma de sonho, mas fica sempre travo de estranheza sem isto seja propriamente um elogio.


Prêmio Argos de Literatura Fantástica - O prémio Argos vai na sua 6ª edição (apesar de um interregno)  e mesmo sabendo que a colecção Portuguesa Argonauta tinha uma lugar de destaque no Brasil cada vez me vou apercebendo que ele é ainda maior do que eu pensava, porque não só o Clube de Leitores de Ficção Científica do Brasil (CLFC) foi fundado por leitores que se uniram precisamente por causa da colecção como o nome deste prémio é uma homenagem à mesma.

Homenagem:




Mulheres sabem escrever: como Ursula Le Guin transformou o papel feminino na literatura de gênero por Cláudia Fusco - Um texto bastante interessante sobre a obra de Ursula K. Le Guin, com especial incidência no livro "A Mão Esquerda das Trevas" (The Left Hand of Darkness). Apenas o achei demasiado "académico" na linguagem utilizada, não que isso tenha algo de mal, mas à que saber distinguir uma dissertação para mestrado de um ensaio numa revista de FC. 

Ursula Le Guin — Dados Biográficos por João Campos - Mais um Português, mais um João, mas desta vez o é Campos, do blog Viagem a Andrómeda que dá uma mãozinha com a bibliografia da autora. 


Resenhas e Reflexões:



A MÃO ESQUERDA DA ESCURIDÃO (Ursula Le Guin) - Verdade é uma questão de imaginação: devir, rizoma e A mão esquerda da escuridão por Luana Barossi - Mais uma espécie de "dissertação para mestrado", mais uma vez nada de mal, mas...





OS DESPOSSUÍDOS (Ursula Le Guin) — Os despossuídos, um dos clássicos da FC por Dario Andrade - Em Portugal este livro da Ursula K. Le Guin teve o título de "Os Despojados" e foi publicado na Europa-América na sua colecção de FC de bolso tendo sido divida em duas partes. Já tinha lido uma opinião do Luís Filipe Silva que me tinha despertado (e muito) a minha curiosidade para a leitura deste(s) livro(s), na altura ainda não o(s) tinha e apenas à pouco tempo é que consegui completar o par. Esta opinião/reflexão do Dario Andrade apenas aguçou a minha curiosidade.




FLORESTA É O NOME DO MUNDO (Ursula Le Guin) por Edgar Indalecio Smaniotto - Apesar de ter gostado da história deste livro, que foi publicado por cá e eu até tenho, não me parece que vá ter prioridade nas minhas leituras pelo menos para já.






DO OUTRO LADO DO SONHO (Ursula K. Le Guin) por Marcello Simão Branco - Quando comecei a ler a resenha reparei que já conhecia a historia: já o tinha lido, mas na sua última reencarnação (e com outro título): O Tormento dos Céus, editado pela Presença, teve outras duas e outros tantos nomes.


The truth is: you’ll never leave — Reflexão sobre o conto "THE ONES WHO WALK AWAY FROM OMELAS" de Ursula Le Guin por Luís Filipe Silva - Mais uma vez o Luís Filipe Silva deixa-me a salivar por uma história da Ursula K. Le Guin, neste caso um conto, mas conto colmatar esta falha em breve.




EXPULSOS DA TERRA (Ursula Le Guin) por Ricardo Guilherme dos Santos - Mais um história que me pareceu interessante e que tenho na estante, mas que não estará nos meus planos de leitura mais próximos.


Foi mais uma edição da Somnium que me deu um grande prazer ler. 


Podem descarregar a revista Somnium 109 aqui onde a vão encontrar nos formatos PDF, MOBI e claro EPUB é só escolher

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Opinião - Revista Trasgo 3 Extra - Quando Todos Viraram Filmes de Rodrigo van Kampen



Com a lançamento da revista Trasgo n.º3 o editor anunciou que quem subscrever-se a newsletter até ao final do mês de Agosto ganharia, como recompensa, um conto extra. Ora como será óbvio subscrevi e o conto lá veio na volta do correio. Lido e relido chega a altura do juízo!

O título do conto é Quando Todos Viraram Filmes e tem a particularidade de ser da autoria do editor da Trasgo: Rodrigo van Kampen. 
O cenário é o seguinte um dia as pessoas de todo o mundo começam a transformar-se em personagens de filmes, desde policiais a comédias passando por terror, romances, documentários e até mesmos desenhos animados e o personagem principal teve o azar de se transformar neste ultimo. Existe um tom cómico-trágico que percorrer todo o conto, nunca soube bem se havia de rir ou sentir pena dele. Parte deste sentimento é devido ao facto de ser o personagem principal a narrar a história, criando-se assim uma maior empatia ao invés de um impessoal narrador na terceira pessoa.
Quando li a história pela primeira vez pensei em como o conceito para o conto era completamente insano, mas ao continuar com a reflexão dei por mim a pensar: "isto é o Fantástico em todo o seu esplendor, uma historia totalmente maluca, mas que estranhamente (ou talvez não) resulta esplendidamente bem".  E esta é a verdade. Através de uma ideia tão louca Rodrigo van Kampen reflecte e faz os leitores reflectir sobre a discriminação, as aparências, o diferente. Apesar de me ter rido num momento ou outro o que me fica na memoria é a reflexão que ele me provocou.
É um magnifico conto e quanto mais reflicto mais estou convicto da sua  magnificência. Os meus parabéns ao seus autor que me deixou curioso quanto a resto da sua obra.

Como disse no inicio este conto só pode ser acedido se subscreverem a newsletter da revista Trasgo até ao final do mês de Agosto. Para tal é só ir aqui e colocar o vosso mail.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Opinião - O Mundo Depois do Fim de Tom Perrotta



Imaginem que de um momento para o outro, literalmente, dois por cento da população mundial desaparecia sem deixar rasto, mas mais espantoso sem alarido absolutamente nenhum. Nada de um Messias que vem buscar os fieis, nada de quatro cavaleiros e nem sinal da Besta. Os que partiram são cristãos, judeus, muçulmanos, hindus, ateus, crianças, velhos, assassinos e inocentes, adúlteros e santos, a única coisa que tem em comum é o facto de serem humanos. É com este cenário como pano de fundo que Tom Perrotta escreveu este livro. A história começa três anos depois do Arrebatamento ou Partida Súbita longe o suficiente para alguma normalidade já ter regressado à vida das pessoas, mas ainda perto o suficiente para os seus efeitos se sentirem. A acção passa-se (quase) toda numa pequena cidade Americana chamada Mapleton e as personagens principais são (quase) todas da família Garvey. Curiosamente, ou talvez não, não perderam ninguém, mas os efeitos da Partida Súbita fizeram-se sentir na mesma. É com esta visão bastante pessoal que vamos abrindo caminho por uma sociedade que ainda se esforça por sarar a ferida de algo que ninguém percebe bem. E é aqui que existe algo de profundamente paradoxal neste livro. Ao invés de observar o evento à escala planetária Tom Perrotta opta pelo comum, pelo familiar e se a principio foi algo que eu estranhei à medida que as páginas "voavam" foi algo que "esqueci" e foi cada vez mais apreciando a leitura e a história que estava a ser contada. Existe na escrita  do autor aquela simplicidade aparente, sem que isso se traduza num história simples, muito pelo contrário, algo que apenas os grandes conseguem.
Quem ler este livro não espere encontrar respostas, aliás o final, como muitos outros aspectos do livros é no mínimo ambíguo.
Apesar de todos este aparentes defeitos foi um leitura que me agradou muito, chegando a ser visceral em muitos momentos e os bons livros são assim como este, colocam-nos a sentir o mesmo que as personagens.

O título Português é "O Mundo Depois do Fim" não é um título mau, mas acho que falha em transmitir o que o autor pretendia. Na versão Brasileira o título é "Os Deixados para Trás" e embora reflicta um pouco melhor continua a deixar algo de fora. O título original é "The Leftovers" o que traduzido à letra é  restos ou sobras e é exactamente assim que o autor quer que nós pensemos nos que ficaram para trás e é também assim que muitos dele pensam de si por ter sido deixados para trás.

Estreou à pouco tempo a adaptação deste livro pelas mãos da HBO (os mesmos senhor que adaptaram A Guerra dos Tronos) e embora o autor esteja profundamente envolvido no projecto a serie tem vindo a revelar-se consideravelmente diferente do livro.


Título - O Mundo Depois do Fim
Autor - Tom Perrotta
Editora - Contraponto
Tradutora - Raquel Dutra Lopes

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Opinião - Somnium 108


Tenho descuidado as leituras um pouco e assim já a Somnium 109 já saiu e eu ainda agora acabei de ler a 108, por "sorte" é um prazer ler esta revista.


Editorial - Um editorial bastante engraçado pela maneira como Ricardo Guilherme dos Santos o escreveu.

Capa por Marcelo Bighetti - O autor da Capa, Marcelo Bighetti, leva-nos passo a passo pela construção da capa desta edição da Somnium

Entrevista a André Vianco - Mais uma excelente entrevista dirigida por Clinton Davisson onde ficamos a conhecer um pouco melhor o autor André Vianco, o seu trabalho gostos e rotinas.


Contos:

O Voo do Ranforrinco de Gerson Lodi-Ribeiro - Tanto quanto me é dado a perceber Gerson Lodi-Ribeiro é uma espécie de Luís Filipes Silva lá do sitio e melhor elogio que este não poderia fazer. E neste "O Voo do Ranforrinco" percebe-me bem porquê. É um conto de FC onde o mistério é o segredo. Temos uma nave que regressa de Marte para a Terra, mas na Terra ninguém a reconhece. ou consegue comunicar com ela... No final o mistério é desfeito, mas o sentido de  maravilha continua. Gostei de o conto não ter terminado logo com a revelação sendo prolongado mais um pouco, mas sem que isso tenha tido um impacto negativo, muito pelo contrario.

As Coisas Que Nunca Acontecem de Miguel Carqueija - Um micro conto de FC, com muito romance, humor e um final de ficar sem ar...

O Estigma da Rosa de Georgette Silen - E se todos os acontecimentos religiosos afinal fossem algo bem diferente, nada devendo ao sobrenatural? É o que Georgette Silen explora neste conto bastante bom e bem escrito que me agradou muito.

A Sereia e o Pescador de Clinton Davisson - Este foi um conto que me deixou (e ainda deixa) com um sorriso nos lábios, ri-me a bom rir com o final. Engana o leitor habilmente e ainda bem.


Reflexão

A Leitura Faz o Leitor por Roberto de Sousa Causo - Apesar de ser um texto escrito em 1999 e adaptado para esta edição da Somnium, e portanto já com quinze anos não deixou de ser uma leitura (muito) interessante e actual. Gostei especialmente de ver explorada a ideia de que cada geração tem a sua colecção referencia, sendo que como não podia deixar de ser a colecção Argonauta foi o alvo da maior atenção, pelas razões óbvias.


Homenagem:



Clifford D. Simak por João Vagos - João Vagos é administrador de entre outros, dos blog's dedicados às colecções Argonauta, Nébula e FC Europa-América e neste texto percorre a vida e obra de Clifford D. Simak. Tenho de confessar a minha ignorância sobre este autor, mas este texto e as resenhas que se lhe seguiram despertaram-me a curiosidade portanto mesmo que o resto da revista fosse má, o que não de todo o caso, muito pelo contrario, já tinha valido a pena a sua leitura só por este simples facto: ter-me despertado a curiosidade para a obra de Clifford D. Simak.



Resenhas:

A Homenagem a Clifford D. Simak prossegue com três resenhas a outros tantos livros seus, por leitores/fãs seus e cada um à sua maneira consegui cativar o leitor deste lado a querer ler esses mesmos livros e quem sabe a prosseguir com a descoberta. Apenas a quarta é de outro autor, Philip E. High, mas igualmente presente da colecção Argonauta.





Estação de Trânsito por Ricardo Guilherme dos Santos - Ricardo Guilherme dos Santos leva-nos a passear pela história do livro "Estação de Trânsito" (com muitos spoilers) usando pequenas passagens do livro como se fossem marcos históricos dignos da mais profunda contemplação. Escusado será dizer que no fim fiquei com imensa vontade de ler este livro. 





Cidade por Antonio Borba - Usando e abusando dos Spoilers (também), António Borba leva-nos no entanto por outro caminho. Numa curiosa dualidade entre a ficção do livro e a reflexão sobre essa mesma ficção versus a nossa realidade num interessante texto que mais uma vez me deixou com bastante curiosidade de ler o livro. De notar que em Portugal este livro recebeu o título de "As Cidades Mortas".





Engenheiros Cósmicos por Sid Castro - Num depoimento pessoal (que é o sub-título desta resenha) e que podia ser a história de muitos de nós, Sid Castro conta-nos como conheceu a obra de Clifford D. Simak e como se apaixonou pela literatura de FC e grande impacto que este livro teve (e ainda tem) na sua vida.





Depois da Derrocada por Miguel Carqueija - Este livro foi escrito originalmente em 1967, mas a sua temática é bastante actual. Pela descrição do Miguel Carqueija pareceu-me um livro com uma temática interessante, mas algo confuso, só lendo para tirar as duvidas. É o único livro desta quatro resenhas que não é de Clifford D. Simak, mas que (inevitavelmente?) também faz parte da colecção Argonauta.


Foi mais uma grande edição da Somnium e que aconselho vivamente a sua leitura. Como disse no inicio as minhas leituras andam "atrasadas", mas já ando a recuperar o tempo perdido e já ando a ler a mais recente edição da Somnium, para breve a minha opinião dela.


Podem descarregar a revista Somnium 108 aqui onde a vão encontrar nos formatos PDF, MOBI e claro EPUB é só escolher.

domingo, 10 de agosto de 2014

Opinião - Revista Trasgo 3



E a revista Trasgo está de volta, embora eu tenha demorado mais tempo do que é habitual a começar lê-la, mas a culpa é só minha. Portanto sem mais demoras passemos ao que interessa. 


Editorial - Um Editorial, para mim, deve ser mais do que um mero desfilar do conteúdo de uma revista, acho que deve funcionar como reflexão, como chamada de atenção, por exemplo, para algum assunto importante, mas ignorado. Acho que o editor da Trasgo, Rodrigo van Kampen, deve começar a investir mais tempo nos seus editoriais, fica o conselho.

Contos:

O Empacotador de Memórias de Gael Rodrigues - Um conto com uma premissa bastante, um rapaz sofrer um trauma em criança, trauma esse que lhe vai "guiar" a vida até ao fim. Em certos momentos quase parece Ficção Científica, mas é a Fantasia que lhe assenta bastante bem. Foi (é) um conto interessante e assaz imaginativo e do qual gostei. 

Rosas Brancas de Roberto de Sousa Causo - Este conto de FC é o prologo de um projecto maior. Neste conto vamos conhecer o inicio de parte deste universo. Gostei da  premissa e da escrita e claro que fiquei curioso com o resto deste universo.

Feita de um sonho de Caroline Policarpo Veloso - Um sonho que se repete e que vai revelar um segredo antigo... Um conto que pega em todo o potencial dos mundos dos sonhos e os explora de moda bastante imaginativo. Gostei, mas achei curto.

Invasão de Claudio Parreira - Um conto completamente surreal, insano mesmo, mas igualmente extraordinário quer na premissa, quer na execução e com um final a condizer!

Viral de Tiago Cordeiro - Geralmente os Zombies (ou Zumbies como dizem os Brasileiros) tem a sua origem numa qualquer doença de origem desconhecida, mas não neste conto, aqui a sua origem está num emissão de radio. Estranho, mas garanto que o autor dará um explicação muito boa. A escrita do conto é "fragmentada", mas resulta lindamente e o final é bastante bom. Enfim gostei bastante.

O Vento do Oeste de Liége Báccaro Toledo - É de longe o mais longo conto desta revista. Nele vamos encontrar um universo Fantástico inspirado nos exóticos mundos dos muçulmanos e nas suas 1001 Noites. Foi um conto interessante, com um mundo bem construído e bem escrito. O final é muito bom e ficamos a pensar que mais aventuras se puderam ter passado naqueles desertos.


Terminados os contos somos presenteados, como habitual, com a Galeria da ilustradora Kelly Santos (autora  da capa deste edição da Trasgo) e de mais algumas ilustrações e a entrevista da praxe a todos os autores que participaram desta edição.

Indo já no seu terceiro número acho que chegou a altura de fazer algumas criticas construtivas ao ordenamento da revista. A colocação dos contos a um lado e as entrevistas no outro não me está a agradar muito, gostava de ver as entrevistas antecedidas dos contos (apesar de lá estar o link para a mesma no final do conto).  A Galeria podia ficar logo ao inicio ou no final.

Espero ajudar a Trasgo a tornar-se um revista ainda melhor com este singelos conselhos.


Podem descarregar a Revista Trasgo nos formatos epub e mobi

domingo, 3 de agosto de 2014

Opinião - Revista Bang! n.º16



Mais uma revista Bang! chegou!!!

Capa - Rompendo a politica até agora seguida de ter como capa uma ilustração original esta edição faz da capa de "O Império Final" de Brandon Sanderson também a sua. Apesar de perceber o porquê desta decisão gostava de ter visto uma ilustração original.

Editorial - Eu e a Safaa Dib temos muitas vezes diferendos de opinião, mas os seus editoriais tem sido algo que me me tem dado bastante prazer ler, este não foi propriamente a excepção, gostei da primeira parte, mas achei a segunda parte algo dispersa (embora tenha percebido onde queria chegar). Acho que faltava algo a ligar as duas partes.

Ilustrador Convidado - Ricardo Coimbra foi o autor da capa desta revista Bang! e pela amostra parece-me ser bastante talentoso, mas e mais uma vez tinha preferido uma ilustração original como por exemplo a que lá aparece com o titulo de "L'Homme runne".

Resumo das novidades - Estes resumos vem sempre acompanhados de uma opinião (à falta de um termo melhor) do editor Luís Corte-Real sobre o mercado editorial (e que muitas vezes dão azo a diferendos de interpretação entre mim e a Safaa). Este texto foi bastante esclarecedor e vem confirmar uma "revelação" que o João Barreiros fez à uns anos e que transcrevo:


O misterioso editor que proferiu estas palavras terá sido o Luís Corte-Real? Fica a questão.

Quanto às novidades parecem-me poucas para uma editora que se assume como a editora do Fantástico. Sobre a qualidade (ou falta dela) não me posso pronunciar visto não conhecer.

Sonar Literário - Um texto e um tema bastante interessante que o Eric Novello abordou e que me agradou muito.

Metais Pesados - Vou ser sincero acho que a participação do Fernando Ribeiro já não trás nada de novo seja nos temas seja na perspectivas. Sei que novos colaboradores não nascem nas árvores, mas este já passou a sua validade.

Sheridan Le Fanu - No Ano do Bicentenário - António Monteiro dá-nos a conhecer um daqueles autores tão importantes quanto desconhecidos. Espero que tenha despertado a atenção não só dos leitores como dos editores.

O Regresso do Transperceneige - Em mais um magnifico artigo da autoria do Mestre João Lameiras ficamos a conhecer mais uma Banda Desenhada (muito) interessante, mas que infelizmente não está publicada por cá e que dificilmente estará.

Feitiços e Terrores - Com a recente publicação de "Cultos Inomináveis" de Robert E. Howard nada como recordar a vida e obra deste grande autor e que bem merece ser publicado e lido, em (mais) um interessante artigo do António Monteiro.

O Regresso a Westeros - Safaa Dib mostra-nos a importância das aventuras de Dunk e Egg (que se passam 100 anos antes de do inicio da Guerra de Tronos) e as interligações de ambas as historias. Tudo isto a propósito do mais recente lançamento "Historias dos Sete Reinos".

As Agruras da Colecção Argonauta - Parte 2 - A segunda e ultima parte deu magnifico exercício não só de memória, mas também de analise desse mítica colecção que foi e é a Argonauta pelo Luís Filipe Silva. Gostava de ver mais artigos destes na revista Bang!

Visões da Utopia - Um artigo bastante interessante em especial pela sua parte histórica.

Brandon Sanderson - Este autor e a sua Saga "Mistborn - Nascida nas Brumas" do qual "O Império Final" é o primeiro volume, são a mais recente aposta da Saída de Emergência e diga desde já uma aposta que a editora pretende ganhar, dai o muito marketing que tem sido feito à volta deste autor/livros, sendo que neste revista muitas paginas lhe são dedicadas indirecta ou directamente. Nas dezasseis (16) paginas que falam directamente do autor/livro temos um pouco de tudo desde um tour pelo mundo criado, as suas características e personagem, passando por uma entrevista a Brandon Sanderson, e o making of da capa de "O Império Final". Nota-se que é uma aposta em que a editora entrou com "tudo" e eu espero que dê resultado e pelas primeiras opiniões parece-me que já começou a agradar a muitos leitores.

Prémio Bang! 2014 - Com o Prémio Bang a acabar (alias já terminou) "mostra-se" quem são os Juízes e faz-se (fez-se) um ultimo apelo.

As Cidades na Ficção Científica - Episódio 3 - Estes artigos da autoria do João Rosmaninho foram definitivamente uma aposta ganha e espero que sejam e estejam para continuar.

Ficção


Enciclopédia da Estória Universal de Afonso Cruz - Uma presença já habitual nas paginas de revista Bang e que é sempre um prazer ler.

Pensando no Relógio de Rui Rodrigues Alves - Quando acabei de ler este conto fiquei com a sensação que tinha acabado de ler não um conto, mas uma espécie de resumo de algo maior. O potencial e as ideias parecem lá estar, mas ainda vai ter de treinar muito até escrever algo bom. Espero que o Rui continua a trabalhar para um dia nos presentear com um conto, novela, romance, etc, de excelência.

Abiogenesis de Pedro G. P. Martins - Já tinha lido os dois trabalhos que o Pedro Martins tem à disposição no Smashwords portanto foi sem surpresas que mais um vez me vi presenteado com a qualidade deste autor neste conto. 

Imersão de Aliette de Bodard - Bem não à toa que este conto venceu os prémios Locus e Nébula e acho que mais não será preciso dizer.
Não deixo passar a oportunidade de agradecer os esforço da revista Bang! em nos presentear com o que de bom se faz lá fora agora.

A Guerra dos Pombos de Estevão Ribeiro - O melhor elogio que posso fazer a esta BD (ou HQ como se diz na outra margem do Atlantico) é que me ri bastante e mal posso esperar pela continuação.


E assim foi mais uma excelente revista que continua a primar pela qualidade e que eu espero seja para continuar durante muito tempo.

Neste intervalo de tempo a revista Bang! já está disponível em formato PDF, mas devido à manutenção do site da Saída de Emergência não me é possível deixar o link para quem queira descarregar a mesma. 

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Another One Bites the Dust ou mais um ano do Senhor Luvas

Ao pensar no que iria escrever neste terceiro aniversario do Senhor Luvas acabei por regressar ao inicio, ao primeiro texto que escrevi: o Manifesto. Embora já tenha cumprido parte do que lá escrevi ainda tenho muito mais para fazer e espero conseguir dar um bom avanço nisso neste novo ano que agora começa.

Verdade seja dita que estou sem muitas palavras nos últimos tempos isso e as leituras também tem sido muito poucas, são fases que atravessemos, mas da qual já estou a sair por tanto preparem-se para ser "chateados" em breve.

Como não podias deixar de ser e porque não mera coincidência ficam aqui os meus parabéns ao grande João Barreiros.

Um abraço a todos e um obrigado por este três anos que venham mais três ainda melhores.

sábado, 14 de junho de 2014

Consultório Literário - "Não gostei e agora?"

Li recentemente o livro ***** ** ****, mas não gostei. O problema é que parece que toda a gente gostou menos eu. O que faço? Digo a verdade correndo o risco de ser gozada e colocada de lado? Ou minto apenas para que me integrar? Ajude-me por favor.

Leitor(a) Anónimo(a)


Caro(a) Leitor(a) Anónimo(a)

A todos nós já nos aconteceu não gostar de pelo menos um livro nas nossa vidas, mas o seu problema o livro e o facto de não ter gostado dele, mas sim a reacção dos seus pares. Compreendo que a aprovação deles seja importante, mas lembre-se que cada pessoa é um conjunto de experiências que produzem uma ser humano único. Os seus gostos e interpretações da leitura desse livro, ou de qualquer outro para o efeito serão sempre diferentes das dos seus colegas, por muito que até pareçam iguais. Seja verdadeiro(a) consigo mesmo(a) e diga a verdade, pode até custar, mas assim não terá de andar sempre a mentir e como efeito colateral terá o bónus de distinguir os bons amigos dos que nem merecem um olá.
Lembre-se também que estamos sempre a crescer em quanto seres humanos, a aprender com as experiências do dia-a-dia. E que nem sempre estamos preparados para ler certos livros naquele momento. Quem sabe se um dia não volta a ler esse livro e gosta?



Podem enviar as vossas questões e dilemas para o e-mail no canto superior direito deste blog que cá estarei para vós responder na medida do possível.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Consultório Literário

Começa aqui uma nova rubrica: o Consultório Literário! O que se pretende é responder a duvidas que todos nós já tivemos (e temos) sobre livros, escritores, editoras, etc, de modo simples e directa e claro que a ajuda dos leitores deste blog será imprescindível, pois as perguntas serão vossas.

Podem fazer chegar as vossas perguntas através dos comentários ou do e-mail do Senhor Luvas que podem encontrar no canto superior direito.

Espero pelas vossas questão, mas amanhã já cá poderão encontrar a primeira.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Os Portugueses também escrevem FC e da boa!!! - Uma (possível) Iniciação à Ficção Científica

Portugal, apesar de tudo o que à partida possa parecer, sempre teve colecções de Ficção Científica, em maior ou menor número, como mais ou menos sucesso. Como ainda hoje se pode verificar grande parte dos autores que as constituem são de Língua Inglesa e um ou outro de outras nacionalidades que conseguem furar este bloqueio, mas os nomes Portugueses raramente eram (e são) vistos. Fruto de um iliteracia que grassou na nosso País até bastante tarde e que ainda hoje estamos a tentar apagar e de dos já referidos preconceitos e ainda de outros motivos que não enumerarei para não me tornar maçador, Portugal nunca teve escritores de renome na FC, ou pelo menos nunca escritores que tenham atingido níveis de popularidade suficientes junto do grande publico. A primeira vez que se viu um conjunto de escritores de Língua Portuguesa a atingir não só o sucesso (relativo), mas também a mostrar o quão bons eram terá sido na colecção de bolso Caminho Ficção Científica e esta só apareceu em força na segunda metade da década de 1980. Este facto deve-se a vários factores, mas o principal será sem duvida o Prémio Editorial Caminho de Ficção Científica. Infelizmente estes autores (e a própria FC) nunca conseguiram chegar ao grande publico e extravasar para além do gueto a onde ainda hoje se encontra. Mas os autores que conseguiram vencer estas adversidades todas tornaram-se grandes, pelo menos neste gueto e tem a obra que o comprova. 





Se Acordar antes de Morrer de João Barreiros - João Barreiros é o maior autor de FC Português vivo e mesmo depois de morrer vai continuar a ser pois ainda ninguém conseguiu chegar perto da sua genial escrita e da produção, mais ou menos continua, que tem mantido ao longo de mais de trinta anos de carreira e apesar de adorar o que o escreve escrevo isto com tristeza pelas razões óbvias. Terrarium será sem sombra para duvidas a sua obra mais conhecida e elogiada, considerado por muitos como a melhor obra de FC da Língua Portuguesa, escrita em conjunto com Luís Filipe Silva. A sua escrita tem como marcas o humor negro, o sarcasmos e um desapego pela esperança, alias suspeito que esperança é uma palavra que não consta do seu dicionário. Quanto à forma de escrever prefere o conto e as noveletas.
Dos muito poucos livro que se encontram no mercado destaco o seu ultimo: "Se Acordar Antes de Morrer". É a compilação de muitos contos e noveletas que estavam espalhados pelo ai. Acho uma boa escolha pois dá uma perspectiva bastante abrangente da sua carreira. Já falei dele e podem (voltar) a ler neste link: Opinião - Se Acordar Antes de Morrer de João Barreiros




O Futuro à Janela de Luís Filipe Silva - Com apenas vinte e um anos anos Luís Filipe Silva ganhou o Prémio Editorial Caminho de Ficção Científica em 1991 com a obra "O Futuro à Janela". A sua obra não se esgotou aqui, continuou com "Galxmente" ("A Cidade da Carne" e "Vingança"). Como acontece com o João Barreiros (com quem colaborou) muita das suas obras encontra-se em forma de conto e de noveletas e claro espalhadas por ai. Se com o João Barreiros a esperança não existe no que já li do Luís existe sempre um nota positiva nos seus trabalhos o que é bastante agradável, pelo menos para mim.
Dos (ainda menos) livros que se podem encontrar eu aconselho "O Futuro à Janela" não só por ser uma obra premiada, mas porque é um belo livro para se ler. O outro aspecto é que num acto de altruísmo sem paralelo o autor colocou-o a disposição de todos no formato pdf e grátis neste link: O Futuro à Janela de Luís Filipe Silva, revisto e com uma das mais belas introduções que já li. Aconselho ainda uma visita ao se site o TecnoFantasia onde poderão encontrar este e mais contos seus e de outros autores.




As Atribulações de Jacques Bonhomme de Telmo Marçal - Se existe um autor que se tem "escondido" das luzes da ribalta será Telmo Marçal pois pouco, para não dizer nada, se sabe dele, excepto que tem neste "As Atribulações de Jacques Bonhomme" uma excelente cartão de visita. Na verdade é uma antologia que reuniu um conjunto de contos previamente publicados em varias revista e sites e em vários formatos, à imagem de  "Se Acordar Antes de Morrer" do João Barreiros. Mas as parecenças não ficam por aqui. Também com Telmo Marçal não há esperança, nos seus contos a cor é cinza quando não é mesmo negra. Depois de ler "As Atribulações de Jacques Bonhomme" a minha esperança num autor que pegasse no manto do João Barreiros teve novo alento, mas infelizmente nunca mais li ou vi nenhum escrito dele fosse onde fosse. Ficou este livro que agora está a um preço irrisório, aproveitem.




A Saga Alex 9 de Bruno Martins Soares - Começou por ser uma trilogia publicada sob um pseudónimo, Martin S. Braun, na extinta colecção TEEN da Saída de Emergência (mas só publicaram os dois primeiros volumes) e acabaram por publicar um só volume na colecção Bang! já sob o nome verdadeiro do autor, Bruno Martins Soares. Ainda não li este livro, e não foi por falta de insistência de muitos amigos e boas opiniões que já li, mas nunca aconteceu (eu sei, eu sei...). A história mistura Ficção Científica e Fantasia, mostrando que os dois géneros conseguem não só conviver, mas também unir-se (embora me parece ser mais(?) FC....). É um autor novo (no panorama editorial) e que fez bastante sucesso junto dos leitores. Coloco cá este livro por sugestão do amigo Fiacha. 



Z de Manuel Alves - Não podia deixar de fora o autor que para mim carrega aos ombros a nova FC Portuguesa: Manuel Alves. Ele tem sido um autor tão falado aqui no blog que acho quase redundante dizer seja o que o for, mas vou tentar para os que ainda não o conhecem. É um autor de grande talento e que ainda está a começar a sua carreira por isso é de esperar que ainda vá melhorar mais. Dos vários contos de FC que já li destaco aquele que foi a minha porta de entrada na sua obra: Z, embora qualquer um pudesse aqui estar. Podem encontrar a minha opinião deste conto neste link: Opinião - Z de Manuel Alves e se ficaram curiosos podem também encontrar este conto completamente grátis neste link: Z de Manuel Alves.



Chega ao fim esta serie de "Uma (possível) Iniciação à Ficção Científica". Espero que tenham gostado, mas também que tenha sido útil para compreender melhor o que é a Ficção Científica e como ela é vasta nos temas e autores. Espero também que leiam alguns dos livros que destaquei e gostem. Fica prometida uma nova incursão pelo mundo da FC um dia deste, até lá boas leituras de FC.